segunda-feira, 30 de junho de 2008

No país do futebol até Presidente da República aparece no lançamento do novo Gol

O Presidente da República foi praticamente garoto propaganda do lançamento do novo Gol da Volks, algo que soa no mínimo esquisito por se tratar de pessoa pública em lançamento de produto comercial - mas isso é assunto pra uma outra ocasião.

Não bastasse isso, em seu discurso Lula disse que a boa fase da indústria automobilística se deve ao próprio setor, que acreditou na estabilidade econômica. “A indústria está batendo recordes todo mês de produção e de vendas. Quanto mais as indústrias crescerem, quanto mais fornecedores tiverem, quanto mais concessionárias abrirem, mais empregos vão gerar. E gerando mais empregos, vão gerar mais salários, vão ter mais consumidores. Mais consumidores, mais empregos e assim passamos a viver um ´ciclo virtuoso`", declarou. Tudo muito lindo mas, ao mesmo tempo em que há um incentivo das empresas, da propaganda e do Presidente para se comprar carros, por outro lado há o discurso de ONGs e de outros setores de que o cidadão consciente é aquele que deixa seu carro na garagem, por causa do trânsito, meio ambiente, bláblábláblá. Não que os argumentos não sejam válidos. Mas quem sempre fica com o abacaxi na mão, angustiado, meio perdido e estressado, é o cidadão. Se a comercialização de veículos é importante, se ela ajuda o desenvolvimento do país, que, aliás, já foi iniciado por meio de rodovias, o mínimo que podemos esperar é que nos dêem alternativas, condições para que a frota de fato possa ser ampliada com mais qualidade e segurança para o meio ambiente e o consumidor.

Por outro lado, é fácil perceber que o caso dos meios de transporte é o mesmo dos demais setores da área pública: educação, saúde, segurança etc. Como os governos não conseguem resolver o problema, precisam apoiar a iniciativa privada e, assim, cada um que se vire do jeito que dá. Aliás, com o recorde de produção de veículos veio também o boom dos recalls. O caso mais recente foi o do FOX, que ficou popularmente conhecido como corta-dedo. Segundo matéria publicada no Estado de São Paulo, de 30 de junho, “os sucessivos recordes de vendas de carros obrigaram as montadoras a acelerar a produção num ritmo muito acima do previsto. Para dar conta da demanda, várias fábricas operam 24 horas durante os sete dias da semana, convocam horas extras e criam novos turnos.[...] Só neste ano, 818,2 mil veículos foram convocados para consertos. Em todo o ano passado foram 256,3 mil. [...] Desde meados dos anos 90, quando a indústria automobilística introduziu no País os recalls, 6,2 milhões de carros passaram por convocações, o equivalente a 25% de tudo o que foi vendido no período”.

Por isso, é preciso fiscalizar as empresas, criar regras para garantir mais qualidade e condições de rodar, seja de carro próprio ou de transporte público. Porém, uma coisa é fato: não é servindo de garoto propaganda que os nossos políticos vão conquistar vitórias para o cidadão comum, que está em campo todos os dias e também precisa garantir seus gols.

Crédito imagem: http://substantivolatil.com/page/3

sábado, 28 de junho de 2008

Gentileza tecnológica

Para quem vive neste mundo material, dos objetos, nas palavras de Jean Baudrillard, os seres humanos até que têm muito o que aprender com suas crias.

É claro que não podemos generalizar, felizmente há pessoas conscientes e gentis nesse mundão. Mas a gentileza nos aparatos tecnológicos tem crescido e está presente em diversos segmentos. É o carro que avisa quando você desliga o motor e deixa o farol ligado ou quando está em trânsito com a porta aberta. A TV que desliga automaticamente, o forno com timer pra você não torrar aquele prato delicioso que está preparando, o Word que pergunta se você deseja salvar o documento, o Orkut que dá as boas vindas quando você acessa a comunidade, entre outras coisas.

É claro que a tecnologia tem lá seus problemas e, muitas vezes, te deixa na mão. Mas, nos tempos modernos, certas delicadezas ficaram esquecidas. Ceder o lugar no transporte público para uma pessoa com criança de colo, avisar o motorista do lado que sua porta está aberta, falar para o porteiro do prédio que o vizinho esqueceu a lanterna do carro ligada, enfim, atitudes simples que demonstram gentileza e preocupação com o semelhante são cada vez mais raras.

Muito se fala da necessidade de uma vida mais simples. Mas que simplicidade seria essa? A de consumir menos objetos e experimentar prazeres? Não acredito ser o consumo o maior vilão dessa sociedade estressada e insensível. Talvez essa "transferência de gentileza", do homem para os objetos, seja uma forma de esquivar-se de suas responsabilidades de cidadão. Acredito que essa vida simples, tão desejada, deva começar nas atitudes para com o semelhante e que seja baseada na fraternidade, no respeito, na educação e na gentileza. Afinal, são as coisas simples que podem transformar nossas vidas, para melhor ou não.

sexta-feira, 27 de junho de 2008

O milagroso da mulheres

As mulheres vão adorar. A minha também, né, amor? Chega de cabelos arruinados por chuva ou vento. Mas só pra quem estiver em Londres, pelo menos por enquanto! A novidade é uma máquina de chapinha! Isso mesmo, aquela que as mulheres ficam horas passando no cabelo pra fazer aquele penteado maravilhoso. O lance é que essa máquina pode ser encontrada em academias, restaurantes, bares e clubes. Basta 1 libra pra deixar a cabeleira bagunçada um arraso de novo. No site http://www.beautifulvending.com/

PDV ou PDE?

Já imaginou uma loja que não vende nada?! Pois é, essa é a cara da Sample Lab, de Toquio, no Japão. E qual é o seu objetivo, então? A Sample Lab é um espaço de distribuição de brindes. Não é um ponto-de-venda, mas um ponto-de-experimentação, vamos dizer. A idéia é sacada e faz os adolescentes se aglomerarem na porta, em grandes filas. Mas, como nada é de graça, pra ter acesso aos mimos é preciso fazer um cadastro no site. Paga-se 11 dólares de inscrição e mais um fee anual que dão direito a pegar 5 brindes a cada visita - amostras de produtos cosméticos, de comidinhas e acessórios.
A idéia pode pegar aqui no Brasil, que caminha com alguns ambientes já preparados para a experimentação. É o caso da Samsung Experience, no Shopping Morumbi, onde as pessoas têm a possibilidade de vivenciar momentos de alta tecnologia com produtos da marca. A Casa Gourmet Arno, em São Paulo, Minas e no Rio, também coloca as pessoas em contato com produtos Arno e T-Fal por meio de cursos gratuitos de culinária, beleza e etiqueta. Segundo informações do site, os cursos têm participação de mais de 6 mil pessoas por mês. Isso é que é relacionamento com a marca!

segunda-feira, 23 de junho de 2008

A pequena poderosa



Fazia tempo que não conhecia uma publicação de qualidade tão boa. A ResultsON é prova de que tamanho não é documento. Apesar de pequena em seu formato, a revista é gigante em conteúdo. Em um tom mais descolado, que foge das publicações das editoras tradicionais, a ResultsON alia conteúdo inteligente com design moderno e clean. Vale a pena conhecer. A distribuição é gratuita. A revista pode ser encontradas em cafés, restaurantes e revistarias. No site, você confere os locais. Aliás, pra quem quer conhecer agora é só acessar http://www.resultson.com.br. Mas o gostoso mesmo é folhear sua páginas. Experimente!

Eletrônico de corpinho enxuto

Dá uma olhada neste vídeo e veja o que a Sony está preparando. A tela tem a espessura de um cartão de crédito. A cultura do corpinho enxuto invadiu o mercado tecnológico. A Apple que se cuide com o Mac Air! Logo, logo, ele vai precisar de uma dieta.
video

sexta-feira, 20 de junho de 2008

Eis que surge a Caixa

Todo ato de consumo passa por uma caixa registradora, o momento de pagar pela sua mais nova aquisição. Daí a idéia do nome deste blog, espaço que se propõe a debater assuntos ligados a comunicação e consumo.

Tudo que passar por aqui vai ficar registrado. Fatos, fotos, devaneios, opiniões, curiosidades, livros e reportagens sobre esse universo maluco e maravilhoso, cheio de oportunidades e possibilidades que vamos abrindo e construindo.

Vivemos na era da sociedade de informação e tudo, ou quase tudo do que necessitamos ou queremos, direta ou indiretamente, é preciso pagar para se ter acesso. E, neste cotidiano, com dias cada vez mais curtos, a ansiedade, o estresse, a perda de valores e a busca da felicidade individual impulsionam o indivíduo a buscar os prazeres do consumo, prazer que logo se transforma em frustração e que pode ser superado, tão logo se consuma novamente.

Esse ciclo insaciável e fundamental para manter o sistema capitalista vigente hoje na maior parte do mundo, talvez possa ser mais sustentável, consciente e ético. Talvez a era do standing esteja dando lugar ao desfrute do prazer e da experimentação, a uma vida mais simples ou não. Esses e outros assuntos serão debatidos aqui. E você está convidado a dar sua opinião também!