sexta-feira, 8 de agosto de 2008

Multitarefas: a vida through the screen

Matéria da Veja de 6 de agosto trata das chamadas crianças multitarefas. Falar no celular, escutar música, bater papo no MSN, jogar videogame e ainda dar uma espiada na programação da TV são algumas das coisas que essa nova geração faz de uma só vez.

Bom ou ruim, não sei dizer. Mas uma coisa é certa: a tecnologia não é a grande causa desse comportamento. É fato que ela está inserida no universo do público infantil. Para as crianças da sociedade moderna, o mundo é through the screen. A vida dos multitarefa é intermediada por telas. Até livro já se lê em posição vertical, por causa do hábito de olhar para o monitor do computador.

Mas e daí? O que isso significa, além da adpatação aos meios, coisa que não é exclusividade dessa geração? A sociedade muda constantemente, e ainda bem que isso acontece. São avanços, retrocessos, mas que significam novas experiências. Os especialistas ouvidos por Veja disseram que será necessário uma ou duas gerações para saber se o impacto desse fenômeno é positivo ou não. Um deles, professor de conceituado colégio de São Paulo, já percebeu uma coisa: “As crianças processam rapidamente um número maior de informações, mas num nível superficial. Ir fundo no assunto é difícil pra elas”.

Hoje, o que vale mais é a quantidade. Vivemos no que a revista Wired chama de snack culture (cultura aos pedaços). Somos ansiosos pelo novo. Queremos um pouquinho de tudo, somos incentivados a isso. E é gostoso, mas não menos perigoso, tudo depende do ponto de vista. E viva o mundo da baixa resolução, de vídeos por celular e do second life! A quantidade de informação não pára de aumentar. Já a qualidade, é mais discutível... ou não.

Voltando à Revista, o que mais causou espanto na matéria foram os relatos das mães que participaram da reportagem. Elas ficaram assustadas com o comportamento dos filhos, de darem atenção para duas, três, quatro, até cinco coisas diferentes ao mesmo tempo. Isso mostrou que essas mães dão pouca atenção aos filhos, não têm muita convivência com eles, pois mal sabiam o que estavam fazendo em casa.

Esse talvez seja um problema, e, de certa forma, também não é culpa delas, pois estão inseridas na lógica do mercado. Para manter os costumes da vida moderna é preciso de dinheiro, o que, na maioria das vezes, significa mais trabalho. Assim, os pais terceirizaram a atenção - o convívio que deveriam ter com os filhos - para os aparatos tecnológicos, as novas babás eletrônicas da modernidade. Embora também, dependendo da relação familiar, talvez a criança saia ganhando em não ter os pais muito por perto. E quem gosta disso é o mercado publicitário, que enxerga a criança como presa fácil, "verdadeira trainee do consumo", nas palavras do professor Daniel Galindo.

5 comentários:

sergiospires disse...

Bem legal... É a modernidade...

Rita disse...

Acho muito triste esse costume moderno de terceirizar a educação das crianças. Até pode ser que essa geração cresça mais antenada com a tecnologia, vitaminada com mais informações de todos os tipos. Mas e a sensibilidade? As lições de moral? O amor? O afeto? Tudo isso segue de pai - ou mãe - para filho, não tem computador que resolva!

hevertonsp disse...

Pois é, Pablito! Que venham a modernidade e a informação com velocidade, mas não descuidemos nunca de condição humana nossa e de nossos filhos. Amor e atenção são bem mais importantes que um videogame ou computador de presente, né, não?

Pablo Assolini disse...

É verdade meus caros. Também acho que nada substitui o carinho, a atenção, o amor, o contato. Hoje em dia, a tecnologia tem sido usada pelo homem, como máscara para esconder o egoísmo. Se não fosse ela (a tecnologia) talvez fosse outra coisa. O fato é que o tempo (esse que a tecnologia pode proporcionar)é cada vez mais utilizado para ser transformado em dinheiro. É uma questão de escolha. Mas o tempo também cobra. E um preço que dinheiro nenhum pode pagar. Mas ... Enquanto isso, nos lares contemporâneos,os estranhos familiares (pois ninguém se conhece) se divertem isoladamente, cada um em seu ninho, vibrando com suas telinhas, sejam elas quais forem.

Fabio santos disse...

Bem como já dizia o poeta dos anos 80 CAZUZA o " Tempo não para" diante de tal afirmativa, o que devemos fazer, creio que não se pode barrar a evolução dos tempos, mas tambêm acho que a educação deve ser obitida no aconchego do lar,e não no banco escolar. Bom a muito tempo Elis já cantava tudo isso em Como nossos pais... As coisas apenas mudam de lugar dentro de seu próprio tempo, mas por horas voltam a ser a mesma história.